Publicidades
ATENÇÃO
As pessoas mostradas neste site são tratadas como suspeitas, sendo presumida sua inocência.
Conforme inciso LVII artigo 5º da constituição federal:
"Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória".

Cujubim

Vídeo do confronto armado - Cujubim: Milícia destrói fazenda, mantém vários reféns e enfrentam a Polícia

Publicado em - 19/07/2017 - 10:33:13
1585

Milícia destrói fazenda, mantém vários reféns e enfrenta a Polícia 

 

Na tarde de sábado (15/07), uma mulher ligou para a Central de Operações (C.O) do 7º BPM, informando que vários elementos fortemente armados estavam planejando invadir a Fazenda Paraíso, localizada no Km-29 da Linha MC-07, no Ramal Atalaia e que ficariam nas pontes aguardando a chegada da Polícia Militar.

O comando do 7º BPM determinou que uma guarnição do Grupo de Operações Especiais (GOE) ficasse de prontidão na cidade de Cujubim, sendo que por volta das 16 horas de domingo (16/07), aproximadamente 12 elementos trajando fardas camufladas, coturnos, luvas, coletes a prova de balas, capuzes balaclava e luvas, utilizando três fuzis AK-47, reconhecidas pelo Gerente da fazenda e quatro escopetas de calibre 12 mm, além de pistolas, revólveres, facas e facões saíram da floresta e invadiram a sede da fazenda rendendo com extrema violência 11 funcionários com idades entre 67 anos e 21 anos, juntamente com três crianças de 01, 03 e 09 anos. Os elementos agrediram violentamente os reféns deixando o Gerente e três funcionários amarrados com lacres.

Nesse momento iniciaram os disparos para todos os lados e as agressões com socos, chutes e coronhadas continuaram. Na sequência os marginais roubaram a quantia de R$ 55.800,00 em dinheiro, dois celulares, um tablet da marca Samsung, três espingardas de calibres 16, 20 e 36 mm e um quadriciclo da marca Honda. Em seguida os bando ateou fogo na sede da fazenda, em três tratores, um caminhão da marca Mercedes Bens, no depósito de sal e todas as casas da fazenda.  Perto das 19 horas o bando liberou os reféns logo após uma ponte a cerca de 800 metros da sede da fazenda, sempre sob a mira das armas de três elementos.

Um vizinho encontrou as vítimas na estrada e os conduziu até a UNISP na cidade de Cujubim.

Antes de liberarem os reféns, o grupo deixou claro que pertenciam a Liga dos Camponeses Pobres (LCP) e que se a Polícia fosse ao local levaria chumbo grosso. As vítimas disseram ainda que entre eles havia uma espécie de hierarquia e que eram bem organizados.

No inicio da manhã de segunda-feira (17/07), o alto comando da Polícia Militar de Rondônia e do 7º BPM de Ariquemes enviou à Cujubim uma guarnição do Núcleo de Operações Aéreas (NOA) contando ainda com o reforço de oito viaturas e aproximadamente 32 homens sob a coordenação do Major Áureo, Capitão Cantanhede, Tenente Teles e Sargento Carvalho (comandante da Polícia Militar de Cujubim).

Logo na entrada na fazenda pela Linha MC-07, havia um trator queimando em cima de uma ponte que deu muito trabalho para ser retirado, pois o referido trator estava sem pneus e a ponte parcialmente destruída, logo à frente espalhados pela estrada estavam vários “Miguelitos” que são pregos entrelaçados para furar pneus de veículos. A partir desse momento o que se via entre a densa fumaça era só destruição, casas e máquinas totalmente queimadas ou ainda queimando e quilômetros de pasto sendo destruídos pelo fogo ateado pelos marginais.

A aeronave Falcão 02, comandada pelo Major Lopes no primeiro sobrevoo na área localizou alguns quilômetros a frente de onde estavam as guarnições um grupo de elementos que estavam com os rostos cobertos e ateando fogo em barricadas.

O comboio da Polícia Militar seguiu com cautela e se deparou com uma barreira feita por várias mulheres e algumas crianças de várias idades, sendo que algumas mulheres tinham bebês de colo. Logo atrás da barreira estavam vários homens e pelo menos três deles portavam armas longas e abriram fogo contra o comboio usando as mulheres e as crianças como escudo.

De inicio os Policiais não responderam ao fogo devido o alto de risco de alguma mulher ou criança ser atingida. Os Policiais de forma segura e ordenada passaram a avançar contra os marginais em formação “L” vindo a ocupar posições seguras. Com o escudo humano em segurança, pois todos estavam deitados ao solo, os Policiais iniciaram o revide ganhando terreno e fazendo os agressores recuarem em meio à mata fechada numa intensa troca de tiros que perdurou por minutos intermináveis.

Os elementos se afastaram mais para dentro da mata e continuaram atirando nos Policiais que respondiam aos disparos, até que os marginais viram que o escudo humano não tinha mais efeito e se evadiram do local pela selva, tomando rumo ignorado.

Com o avanço das guarnições mata adentro, 41 indivíduos foram detidos para averiguação, sendo 15 mulheres com idades entre 21 e 60 anos e 26 homens com idades entre 18 e 59 anos e alguns menores entre recém-nascidos e 17 anos.

No local do confronto foram encontradas cápsulas de calibres 12 mm, 20, 32, 36, 38 e .40 mm.

Poucos metros dentro da mata foi localizado um acampamento com dezenas de objetos roubados na fazenda como o quadriciclo, motosserras, fardas camufladas e vários outros objetos de procedência duvidosa, como muitos quilos de gêneros alimentícios, caixas de bebidas alcoólicas e bolachas.

No final da tarde todos os detidos e o material apreendido foi apresentado a autoridade plantonista na UNISP em Cujubim, onde foi registrada a ocorrência nº 116284/17, pata as devidas providências.

Matéria: ariquemes190
Fotos: ariquemes190

capa

Veja também

Publicidades